Qual a diferença entre ouro amarelo, branco e rosé?

Qual a diferença entre ouro amarelo, branco e rosé?

Por Joia Única em
Qual a diferença entre ouro amarelo, branco e rosé?

Entenda as principais características na composição de cada um desses tipos

O encanto da sociedade pelo ouro não é algo contemporâneo.

Apesar de não haver consenso em relação ao momento exato em que esse metal passou a ser utilizado pela humanidade, uma peça descoberta na Bulgária pode ajudar a estabelecer uma estimativa.

O professor Yavor Boyadzhiev, da Academia Búlgara de Ciências, avalia que a pequena conta, de quatro milímetros, foi produzida entre 4600 e 4500 antes de Cristo.

O achado pode revelar, entre outras coisas, que a vaidade e o ouro sempre foram aliados.

Por isso, para refinar seus conhecimentos sobre um dos materiais mais raros do mundo, preparamos esse texto que apresenta as principais características na composição do:

  • Ouro amarelo;
  • Ouro branco;
  • Ouro rosé.

Identificando o ouro Amarelo

Imagem de Bíblia aberta com duas alianças em ouro amarelo dentro

O ouro amarelo estrutura todas as outras classes dessa categoria.

Além de não oxidar em seu estado mais puro, pode ser o mais precioso entre todos os que vão aparecer nessa lista.

Apesar disso, os preços dependem da quantidade de outros metais adicionados à sua composição pois, conforme essa porcentagem se altera, os quilates (K) dos produtos também mudam.

Entre as fórmulas mais populares, estão:

  • 24K ≅ 100%;
  • 20K ≅ 83%;
  • 18K ≅ 75%;
  • 12K ≅ 50%;
  • 10K ≅ 41%.

Os materiais agregados à essas misturas variam a depender do resultado em que se quer chegar.

Além da prata, elemento mais popular inserido nessas combinações, também podem estar presentes o cobre e o zinco.

Essas modificações, além de influenciarem nos valores, alteram aspectos físicos das peças.

Menor o kilate maior a resistência

Uma aliança de 24K, por exemplo, é menos resistente que uma de 18K, visto que o ouro, sem nenhum aditivo, é muito maleável.

Essa fragilidade chega a ser incômoda para alguns joalheiros, que preferem não trabalhar com esse componente.

Apesar disso, a distinção visual entre os diferentes quilates não é perceptível para a maioria das pessoas. Tanto é que, para comprovar essas medidas, existem diversos testes que podem ser feitos, desde físicos até químicos.

A técnica da percepção do timbre, por exemplo, pode ser imprecisa para leigos e, por isso, não é uma forma prática de verificação.

Entretanto, a utilização de imãs é uma das maneiras mais objetivas de se obter um veredito, já que o ouro inalterado não sofre atração magnética.

Se isso acontecer, o item deve ser composto por outros tipos de metal.

Outro procedimento que oferece resultados seguros é a utilização de ácido nítrico. Nesse caso, uma pequena amostragem de um artefato é coletada, normalmente com uma lixa, e colocada na superfície de um objeto chamado pedra de toque.

Nele, são despejados alguns miligramas do líquido que vai sofrer uma reação química caso entre em contato com algo que não seja ouro.

Identificando o Ouro Branco

Imagem de par de anéis em ouro branco

Para produzir o ouro branco uma receita diferente é adotada. Além da adição da prata, o paládio passa a compor a mistura. Em alguns casos, o manganésio e o níquel também são utilizados.

A soma dessas cores resulta numa tonalidade mais discreta, porém tão atraente quanto os outros materiais.

Apesar de ficar, visualmente, tão diferente do ouro amarelo, existem muitas vantagens em artefatos feitos desse componente.

Uma das consequências, por exemplo, dessa variedade de substâncias, é o fortalecimento do elemento. Além disso, para desenvolver ainda mais resistência, banhos de ródio podem ser realizados.

Essa combinação aumenta a durabilidade das peças, além de torna-las ainda mais brilhantes. Mas, apesar disso, a técnica não é ilimitada.

O tempo causa um desgaste natural nessa camada, que deve ser reforçada com o passar dos anos. Nesse caso, é recomendado que o revestimento anterior seja removido antes que o novo seja colocado.

Esse processo de aplicação é feito através de um método chamado deposição eletroquímica

Além disso, alguns truques podem ajudar a preservar essa cobertura por mais tempo.

Evitar o contato com excesso de suor, água e produtos de limpeza pode cooperar com a conservação.

Por isso, essa proteção varia a depender do item, visto que brincos sofrem menos atrito que anéis, por exemplo.

Características do Ouro Rosé

Imagem de dois anéis se sobrepondo. Um anel em ouro rosé, outro anel em ouro amarelo.

Talvez essa pigmentação seja a mais romântica e exótica entre todas dessa lista.

O ouro rosé, rosa ou russo (termo em desuso) é composto, normalmente, por 75% de ouro amarelo, 15% de cobre e 10% de prata. Os quilates do ouro amarelo utilizado nessa receita alteram ligeiramente essa porcentagem.

Esse tom elegante combina com todos os tipos de pele e exige pouca manutenção.

Apesar disso, por conter uma quantidade considerável de cobre, a oxidação pode acontecer com mais facilidade.

Cuidados com o ouro rosé

Dessa forma, guardar o objeto em uma caixa aveludada, sem outras peças, e limpá-lo com uma flanela macia pode ajudar a aumentar a vida útil do produto.

Esse material voltou a se tornar tendência há alguns anos, mas ainda não é tão procurado quanto os outros dois tipos.

Apesar disso, sua popularidade vem crescendo dentro e fora do país.

A designer Yunjo Lee, que já desenhou para grifes renomadas como a Tiffany & Co., Bucherer e Michael Kors produziu, em sua marca, uma coleção predominantemente dedicada ao ouro rosé.

Mais variações de cores

Outra vantagem desse componente é a ampla variação de cores que podem ser alcançadas através de diversas misturas.

Essas mudanças intensificam os alguns tons conforme o cobre é adicionado à composição, até o ponto que outras nomenclaturas passam a ser adotadas, como o ouro vermelho.

Entre as combinações mais comuns estão:

  • 22K ≅ 92% de ouro e 9% de bronze;
  • 18K ≅ 75% de ouro, 10% de prata e 15% de bronze;
  • 14K ≅ 60% de ouro, 10% de prata e 30% de bronze;
  • 10K ≅ 40% de ouro, 20% de prata e 40% de bronze.

O visual delicado do ouro rosé destaca qualquer trabalho com pedrarias. Por isso, a extravagância desse elemento pode ser facilmente aumentada com serviços desse segmento.

Diamantes claros, por exemplo, são uma tentativa certeira de valorizar qualquer produto feito desse material.

Por isso, vale considerar todos esses pontos antes de investir em novas joias.

Por mais que esse ingrediente possa parecer mais sincronizado com a maioria das pessoas, peças mais ousadas ou mais resistentes podem chamar mais a atenção de alguns perfis.

De qualquer forma, algum tipo de ouro vai se encaixar com suas vontades. Confira mais dicas como esta clicando aqui!

Comentários:

Ao enviar esse comentário você concorda com nossa Política de Privacidade.